sábado, 17 de dezembro de 2011

#131 - Leituras

(fonte: facebook)

É tão diferente ler um livro sem ser obrigada a lê-lo. Bem, a leitura sempre é boa, mas quando você lê por vontade própria é tão mais prazerosa... SABOROSA! Acho que depois de certos acontecimentos desse ano, nunca esperei tanto pelas férias e, deveras, estão sendo magníficas. Talvez não como eu vejo por aí, com cruzeiros e belas paisagens, mas sim com um bem interior e com leituras ótimas.

Estou aprendendo com essas páginas, parece que eles foram preparados exatamente para essas férias e, arrisco mais, para esse grau de maturidade. Por um momento me sinto muito parte daquele espaço e daquele momento. Eu sou uma personagem ociosa, esperando um momento. Poxa, é tão incrível ter o controle dos rostos e das vozes, até do perfume das personagens.

Eu quis tanto estar no lugar de Javier e na tranquilidade da sala da Villa Candelaria, mas nem tudo é como nos livros. Tudo pode ser um pouquinho melhor, ou um pouquinho pior.

Tenho certeza que posso recomendar o último livro que li e esse que estou a ler (Pollyanna Moça, de Eleanor H. Porter e As Lágrimas de Shiva, de César Mallorquí), ambos são incríveis.

Acho que é isso que está resumindo os meus dias: mundos diferentes com pessoas fantasia.

1 comentários:

Tulipa Tavares disse...

Uma verdade - aceita por mim logicamente. A imaginação vai tão longe na leitura... Construímos cenários, inventamos de cores a fisionomias com o pouco que nos é dado. Acho tudo lindo, parte ao meu gosto. É maravilhoso poder viajar só com a nossa percepção das coisas, das linhas, dos sentimentos. É, no mínimo, fascinante.