quinta-feira, 30 de junho de 2011

#106 - Contadores de histórias


Existe um céu, um céu de meia tarde. Um céu que eu adoro observar. Aquele que mais parece uma pintura aquarelada com as cores mais quentes do verão. Embaixo desse céu, encontrava-se a minha pessoa a ouvir as histórias de outras pessoas. Histórias complicadas, opiniões cuidadosas. Nada de falsas esperanças. Morro de medo disso.

É exatamente isso que aflige a mim e aos meus contadores de histórias. Não existem fórmulas ou deduções para a simples resolução de todos esses casos contados. Queria que existisse ou que eu ao menos lembrasse como eu resolvi os meus casos. Parece que não há resolução. É o gostar e o não gostar. O querer e o não querer. Como se sai desse labirinto? E eu fico mal. Tão mal quantos os meus contadores de histórias. Mal por saber que eles estão mal. Mal por saber que eu sai dessas e não sei como ajudar. São casos e pessoas.

Horrível a sensação de ver aquelas pessoas perdidas num caminho que passei e não poder guiá-las, por causa dessa incerteza. Esse medo de vacilar. Queria muito, muito, muito poder ajudar todos os meus contadores de histórias.

Queria poder solucionar todas essas histórias, só para não ver mais lágrimas caindo. Mesmo sabendo que isso não é o certo e que às vezes os melhores caminhos são encontrados nas trilhas mais difíceis.

2 comentários:

Mariana Januário disse...

Oii! Tem uma tag pra vc lá no Blog! Depois dá uma passadinha lá. Beijos ;*
www.mj-ilusoes.blogspot.com

Ewerton[Thon] disse...

Lindo o texto.
Volte sempre.