domingo, 17 de abril de 2011

#90 - Quebra-cabeça

Não sei bem por que abri a página de postagem. Todos os textos que escrevi, escrevi na minha mente. Foram textos tão lindos, tão meus. As coisas ultimamente foram tão estranhas, tão diferentes. Foi mais que um sonho, mais que uma palavra, foi mais que uma pequena história, mais que uma grande descoberta. Foi tão de repente que eu não sei exatamente quando aconteceu.

Meu coração acelerou por mais tempo que o costume. Meus pensamentos voltaram muitas vezes em poucas coisas. Ainda estão presentes. Não sei como explicá-los. Eles estão mudando um pouco de mim, um pouco do mundo. O mundo para mim.

Lamento não ver mais meus herois, mas não lamento ter saído de um mundo de encanto. Às vezes eu descubro que o mundo real, com pessoas reais é bastante construtivo. Comecei a pensar por mim, por mim mesmo. Não vou mais mudar aquilo que eu sinto por medo de fugir do que eu desejei ser ideal.

Criei muitas expectativas quanto a pessoas que mudaram. Elas mudaram tanto quanto eu, mas tomaram outros caminhos. Caminhos diversos. Não vou abandoná-las, não mesmo. Só não reservo tanto de mim quanto antes.

Estou desmontando meu quebra-cabeça, só para reorganizar as peças. Algumas essenciais estão aparecendo. Estão me fazendo tão bem quanto conversar comigo mesma no chuveiro. Creio que mudei isso tudo há pouco. Talvez ficou mais claro na minha conversa solitária da madrugada anterior. Conversei meus medos, minhas vontades, meus receios, meus objetivos, minhas novas expectativas. Psicóloga de mim.

Aqueles medos bobos de criança que viu filme de terror surgiram. Passei por cada um, pela escada escura, pelo espelho estático, pelo barulho lá fora, o movimento dos panos, a janela aberta, o meu coração acelerado e aquele sentimento estranho. Sabia que quando caísse no sono esvairia tudo e acordaria com o sol na janela gritando a hora de acordar.

Realmente, não sei ainda o que eu quero escrever. Ficou tudo claro na noite passada, mas a própria noite  consumiu. Consumiu o meu medo, consumiu o meu pensamento. Aqui me resta o mais importante, esses sentimentos loucos que me deixam assim. Ainda tenho bastante peças a serem montadas. Outras irão com a brisa. Começo com as mais importantes. Espero ter encontrado o que queria.

1 comentários:

Sabrina Torres disse...

Nhaac' você abriu a página de postagem porque queria colocar para fora o que estava sentindo *-*

Bjo bjo