domingo, 18 de julho de 2010

#11 - vida vazia...


Minhas férias estão acabando, não queria retomar toda aquela rotina escolar e do técnico. É tão exaustivo, mas eu acho que é o melhor para meu bem emocional... Odeio ficar longe dos meus amigos, mas não faço grandes esforços para sair de casa nas férias. Isso é algo que me irrita profundamente, odeio agir assim. Mas é um fato, sei que eu não vou mudar... Eu juro que queria passar mais tempo com eles, com o Rodrigo até, mas eu não tenho ânimos para me locomover (não sei se é o melhor termo).
Ficar em casa é tão melancólico. Minha mãe está aqui todos os dias, mas eu sinto como se ela estivesse tão distante... Eu acho que a culpa não é dela, talvez minha.  Ou de ninguém. Sinto falta da Bruna, é tão ridículo isso. Ela mora tão perto e eu tenho o seu telefone.
Não gosto quando cai a noite, me sinto triste. Eu não sou louca! “Oh my God” são quase quatro da manhã de uma droga de domingo que eu sei que vai ser uma droga (eu não devia usar tal palavra, já postei aqui o que é droga, e isso não é um vício. Ah, dane-se). Não gosto de falar assim, eu sei que eu poderia fazê-lo divertido. Tirei minha blusa e já estou com frio. Não sei se é frio físico ou psicológico.
Eu entendo muito as pessoas, o que elas estão sentindo ou porque elas estão mal. Já me perguntaram se eu não queria ser psicóloga. É bem interessante, quando parece que eu guardo uma maluca dentro de mim. Ninguém me conhece, só uma pessoa me conhece tão bem, pena que ela tem medo de me descobrir. Talvez eu guarde o seu reflexo... Voltando, eu entendo as pessoas não sei como ou porque. Entendo. O Vitor fala que talvez nem tanto e que eu não devo pressupor que conheço por completo. Ele pode estar certo, entendo ele.
Li um post não recente de um blog, ele parecia tão oculto e tão transparente... eu não sei explicar, mas eu entendi. A moça escreve tão bem. Vale a pena ler, talvez você não entenda. Mas quem disse que é para entender? Quem disse que é para entender o que EU estou escrevendo. É tudo uma grande porcaria sem nexo.
Eu acho que me falta alguma coisa, mas é algo que eu não sei se é externo. É do tipo que você procura no espelho e não na janela. Ah, que porcaria. Eu quero alguém que me entenda realmente... As vezes penso: “Será que um psicólogo me entenderia?”... Eu não sou louca! Talvez ele não entenderia. Talvez sim.
Tenho tanta coisa para fazer, mas não quero. Não devia falar assim, soa tão rebelde. Eu não sou assim. Eu não quero ser assim, as pessoas só não são o que não querem ou desejam ser.
As vezes eu tenho medo de ficar sozinha, isso é um problema... quando ficamos muito tempo sozinhos nos acostumamos e passamos a gostar da nossa própria companhia. Como ela disse. Alguém já sentiu como é estar com muitas pessoas e se sentir sozinho como se não tivesse nenhuma? Eu queria chorar e estava numa festa. Talvez eu estaria melhor num enterro do que naquela festa (peguei pesado).
Enfim, felicidade é apenas real quando compartilhada. É uma pena ter tanta gente comigo e não me sentir... real?
Espero que isso passe, odeio quando fico assim.                
P.S.: Quem quiser olhar: #tododia

2 comentários:

Hermes disse...

auhsua' "O Vitor fala que talvez nem tanto e que eu não devo pressupor que conheço por completo. Ele pode estar certo, entendo ele." #euri

Queria dizer q EU te entendo, mas nops, ñ entendo, se eu dissesse ia soar falso, maaaas, torço por vc cara. Continue pensando, é ruim qndo a gente se prende tanto na gente, no que a gente é, no que a gente quer ser, em como a gente age, ou como outros são conosco, mas ainda assim, continue pensando em você. É entendo mais você que você entende os outros e se sente mias dono de si mesmo (ou ñ)

Ateh mais Bisnaga-da-Madruga

Laysha Vampira disse...

O lendário e famoso: "eu estive em todos os lugares e só me encontrei em mim mesmo".
Aplica-se para tudo e todos!

Calma minha pequena... as crises são necessárias para crescer-mos.Isso tende a melhorar... ou piorar como é meu caso! hehehe

Obrigado pela vista... tbm lhe sigo com prazer.

Beijos da vampira Laysha.