sexta-feira, 20 de outubro de 2017

#181 - Essas coisas que acontecem na cabeça

após ler o blog da orni eu decidi escrever assim, porque está aconchegante. o meu pai recebeu alta na segunda-feira e está se recuperando muito bem. queria ter metade da vitalidade e da força que ele tem. meu pai é incrível, nem sei explicar essa admiração que eu sinto aqui no fundo.

a minha prova de terça-feira se passou. minha semana foi uma sequência de coisas dando errado, mas estou controlando o estresse, porque acho que não tenho o direito de reclamar de nada se meu pai está melhorando.

eu arrumei uma desculpa (não tão desculpa, porque era verdade, mas não era motivo) para não sair de casa hoje. ultimamente a minha vontade de sair está zero. eu cheguei num ponto que desisti das pessoas. desisti de tentar me apaixonar. tudo bem que, no fundo, ainda rola aquela esperança de encontrar alguém que me faça mudar de ideia, mas de modo geral, eu desisti.

decidi focar na minha "carreira". que? não sei o que o futuro guarda para mim, mas espero que isso me leve a algum lugar. eu estou perdida, mas finjo que sei muito bem o que estou fazendo. sorria e acene.

faltei na aula de hoje. aliás, cozinhei hoje. ficou meio bosta. coitado do meu pai que teve que comer minhas batatas que cozinharam demais...

quero continuar falando que estou chateada com as pessoas. muito mesmo. será que se eu tivesse em qualquer outro lugar seria diferente? ou isso tudo aconteceria em qualquer lugar que eu estivesse? o mundo tem tanta gente filha-da-puta assim por quilômetro quadrado? "tá amarrado".

ps.: acho que a USP nunca vai ser minha "casa" :(

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

#180 - Coração apertado

Meu coração tá frágil. Ontem meu pai foi transplantado. Foi tão angustiante ficar 7 (SETE) horas sem notícia nenhuma. Foi tão impactante vê-lo naquela cama, com o rosto tão pálido e os lábios tão secos. Ele mal conseguia falar, sentia muita sede e um pouco de dor, mesmo dopado. Eu senti tanto medo. Guardei pra mim tantos sentimentos pra não deixá-lo mal ou preocupado. Hoje eu fui ao hospital novamente. Ele está melhor, tá corado, andou pelo andar. Mal vejo a hora de ver meu pai em casa de volta!

Eu tenho tantas coisas para fazer, mas não consigo me concentrar. Estou desfocada, mas não poderia estar. É tão difícil separar a vida em partições restritas. Terça-feira eu tenho uma prova muito importante. Tenho um livro inteiro para estudar. Preciso fazer o tratamento dos dados da análise que fiz na segunda-feira passada. Tenho mais uma prova na quinta-feira da outra semana.

Sério! Espero que Deus, Iemanjá, o Universo e as constelações me ajudem a ir bem na vida. A responsabilidade sobre minha cabeça está pesada e a cobrança é grande... Parece loucura falar que na minha última postagem eu estava apresentando meu TCC e finalizando a graduação e agora estou oficialmente matriculada no doutorado no programa de pós do IQ-USP.

As coisas acontecem muito rápido. Eu espero ter psicológico pra aguentar tudo isso.

No momento só quero que meu pai fique bem...